Os automóveis esportivos de pequenas dimensões, com carrocerias cupê ou cabriolet, normalmente para dois ocupantes, viveram seus dias de glória na década de 1960. Naquele período de ouro para a indústria, modelos como Alfa Romeo Spider, , Renault Alpine e MGB, entre outros, eram sonhos de consumo na Europa, sendo que alguns deles também fizeram sucesso na América do Norte. No Brasil, tivemos bons carros desse tipo, quase todos fora de série, sendo o o mais célebre.

Na maioria dos casos, os pequenos esportivos não tinham motores tão potentes assim, mas o baixo peso e a tração traseira contribuíam para entregar grande prazer ao dirigir. O habitat natural desses carros eram as estradas sinuosas, onde era possível deixar carros mais potentes para trás, graças à estabilidade bem acima da média. Por fim, o preço era bem mais acessível que o dos esportivos de pedigree da época, como Jaguar E-Type e Mercedes 300 SL.

A partir da década de 1980, os esportivos de pequeno porte foram desaparecendo do mercado, por fatores ligados principalmente ao custo de produção. Há representantes contemporâneos na classe, como Mazda MX-5 Miatta e Lotus Elise, mas as opções são bem mais limitadas que há 40 anos. Por isso, é digna de nota a estreia em Genebra de dois novos modelos  que mantém viva a fórmula de unir baixo peso, tração traseira e carroceria compacta: o Alfa Romeo 4C e o Toyota FT-86 Open Concept.

Alfa Romeo 4C O pequeno cupê italiano chega para resgatar o espírito do antecessor Spider, que teve uma segunda geração nos anos de 1990, porém com concepção tradicional de tração dianteira e plataforma compartilhada com outros produtos do Grupo Fiat. O 4C é diferente: tem tração traseira e um chassi próprio, confeccionado em fibra de carbono. A produção será artesanal, na fábrica da Maserati, motivo pelo qual apenas 3.500 veículos serão produzidos anualmente. Cerca da metade será exportada para os Estados Unidos, onde o modelo servirá de estandarte para a volta da Alfa Romeo.

O novo esportivo da Alfa Romeo foi  mostrado pela primeira vez em 2011, também no Salão de Genebra, mas ainda em forma de conceito, sob o codinome 4C Concept. Agora já exibido em versão definitiva, o modelo já tem destino traçado no mercado: as primeiras 1.000 unidades integrarão uma série especial, batizada de “Edition Launch”. O preço da novidade será de 60 mil euros na Europa.

O 4C é pequeno e leve: o fabricante informa que ele tem menos de 4 metros de comprimento e pesa apenas 895 kg. Com um corpinho tão esbelto, um motor 1.8 turbo de quatro cilindros de 240 cv e 25,7 kgfm de torque é capaz de proporcionar relação peso/potência de apenas 4 kg/cv. O resultado se traduz em acelerações de zero a 100 km/h em apenas 4, segundos e velocidade máxima de 250 km/h, limitada eletronicamente. O câmbio é automatizado de dupla embreagem, com seis marchas.

Toyota FT-86 Open Concept Há alguns anos, a Toyota decidiu ter um esportivo voltado para o prazer ao dirigir em seu portfólio, para marcar uma espécie de rejuvenescimento da linha. Para fazer com que o plano fosse concretizado, a marca japonesa se uniu à conterrânea Subaru e ambas trabalharam juntas para conceber um cupê, que pode se chamar GT-86 ou BRZ, dependendo da marca que estiver gravada em seu capô. Relativamente acessíveis, eles custam cerca de 40 mil euros no velho continente. Em 2012, o modelo da Toyota foi eleito Carro do Ano pela revista Top Gear. .

Embalada pela crítica favorável, a marca mostrou o FT-86 Open Concept em Genebra, que nada mais é senão a versão sem capota do GT-86. Embora o modelo tenha sido apresentado como conceito, o conversível já está praticamente pronto para entrar em produção.  Tanto o FT-86 Open Concept quanto o GT-86 seguem à risca a receita consagrada pelos clássicos esportivos europeus dos anos de 1960. O motor, um 2.0 16V com quatro cilindros dispostos em posições opostas (boxer), rende 203 cv de potência e 20,9 kgfm de torque, suficientes para dar agilidade ao modelo. Ainda assim, a Toyota já anunciou o desenvolvimento de uma versão mais potente, que poderá usar turbo, compressor volumétrico ou sistema híbrido.

O conversível tem as mesmas dimensões do cupê: são 4,24 metros de comprimento,  1,77 m de largura, 1,27 m de altura e 2,57 m de distância entre eixos. O peso é de 1.257 kg, resultando em relação peso/potência de 160 cv para cada 1.000 kg. O FT-86 Open Concept não teve os números de desempenho divulgados, mas o irmão GT-86, que é apenas 67 kg mais leve, acelera de zero a cem em 7,6 segundos e atinge a velocidade máxima de 230 km/h, segundo o fabricante. O modelo sem capota exibia câmbio manual de seis marchas, para deleite dos puristas, embora o irmão possa ser equipado também com uma caixa automática, com o mesmo número de velocidades. A tração, claro, é traseira e a capota é confeccionada em tecido, ao invés de material rígido. Tudo para manter a tradição…

Fotos | United Pictures e Toyota/Divulgação