Sexta geração do lendário Ford Mustang GT mantém estilo do modelo inicial de 1964, com conectividade se destacando tanto quanto o motor V8 aspirado e a tração traseira
Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Por Paulo Eduardo

Mais de 10 milhões de unidades vendidas em todo o mundo desde o lançamento, o Ford Mustang GT se adapta ao tempo mantendo a identidade. Traseira curta e frente longa se mantêm no estilo atual. A sexta geração foi lançada em 2014, e reestilizada em 2017. Nos tempos de motores turbo de baixa cilindrada e alta potência, o Mustang comprova a tarefa difícil de derrubar alta cilindrada em desempenho. Chega aos 100 km/h em 4,3 segundos. Tração traseira se mantém no Pony Car.

Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Linhas

Linhas se modernizaram sem perder a identidade. O grande aerofólio na traseira. Rodas enormes de 19 polegadas. Como a bitola traseira é mais larga, os pneus também são em relação aos dianteiros ligeiramente mais estreitos. Ao abrir a porta, percebe-se o teto baixo. Para entrar, abaixa-se bastante. Esportivo não combina com ergonomia. Acessar banco traseiro é privilégio das crianças. Aliás, o desempenho no teste de impacto do Euro NCap foi de três estrelas no total por causa da proteção limitada às crianças no espaço traseiro. São oito airbags (incluindo de joelho para passageiro da frente), alerta de colisão, detector de pedestre, permanência na faixa, câmera de ré, controles de tração e estabilidade.

Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Requinte

O interior é requintado, couro nos bancos com ventilação e aquecimento, material de qualidade percebida no painel, ajustes e encaixes benfeitos. A impressão é a de estar em uma nave, tamanha a profusão de comandos no volante de três raios, que remete ao de 1964, quadro de instrumentos digital de 12 polegadas, e outra tela de oito polegadas no painel central. Além da conectividade atual completa – central multimídia, tela tátil, navegação, Car Play e Android Auto, Bluetooth. Porta-malas surpreende para um cupê esportivo, mas temperatura se eleva durante viagem (leia box abaixo).

Vida a bordo

Banco do motorista tem ajuste lombar e de altura com acionamentos elétricos, o do encosto é manual. O assento deveria ser mais longo para apoiar devidamente as pernas. Coluna de direção tem ajustes de distância e altura, mas revestimento liso do volante provoca deslizamento. Visibilidade traseira limitada torna câmera de ré imprescindível. Para-brisa tem pouca altura para os padrões atuais. Apesar de ter muito do primeiro modelo, essa geração do Mustang desfruta das maravilhas do século 21. Som do motor programado a gosto, incluindo silencioso para não despertar a cidade na calada da noite. Seis modos de condução: padrão, dois esportivos, pista, molhado, arrancada. Além da personalização no My Mode. Direção pode ser calibrada para ser confortável ou esportiva. Há ainda a função Line Lock, que freia eletronicamente as rodas dianteiras, fazendo as traseiras girarem durante 15 segundos, soltando fumaça dos pneus. Esse procedimento é usado para aquecer pneus em competições de arrancada.

Modos de condução

Se o modo padrão (Normal) impressiona, os Esportivos fazem jus com trocas muito rápidas, a direção fica mais firme e o carro muda a trajetória ao menor movimento no volante. Pista é para pista, controle de tração é desligado. A suspensão é adaptativa. Amortecedores usam fluido viscoso eletromagnético e sensores para ajuste independente instantâneo da suspensão. Mesmo assim, as rodas de 19 polegadas e pneus muito largos penam nas ondulações do asfalto. Elas sobem e descem com força, incomodando bastante ao deslocar o carro da trajetória. No calçamento irregular, não há problema.

Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Devorador de curvas

A direção é típica de esportivo. Mesmo com toda a parafernália eletrônica, a altíssima potência do V8 de alumínio e a tração traseira podem levar ao descontrole. Dirigir esportivo é prazeroso, mas requer atenção redobrada. O Mustang devora curvas. Se a traseira desgarrar, a reação imediata é virar o volante para o lado contrário da curva, se houver tempo. Tração traseira é assim, quando o carro desgarra não há quem segure. As trocas da caixa de marchas automática de 10 velocidades desenvolvida pela Ford são rápidas mesmo no modo de condução Normal. Trocas manuais pelas aletas no volante. Impressionam força e potência brutais. É para quem gosta de volante.

Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Piso liso

O Ford Mustang GT foi feito para rodar em piso liso, asfalto de qualidade onde se aproveita tudo que oferece. Pode-se rodar tranquilamente no modo Normal e acelerar fundo eventualmente numa ultrapassagem segura feita num piscar de olhos. Modo “Normal” dele é esportivo para os outros. Tanto talento para as pistas pode ser usado para rodar nos limites previstos em lei. Não tem tanta graça quanto em estrada de alta velocidade e pista de corrida. Porém, está adequado para rodar em ritmo de curtição como um carro de rua. Apesar de toda a parafernália eletrônica, o Mustang exige muita habilidade em ritmo de pilotagem. A fera amansou, mas ainda não está totalmente domável conforme o modo de condução escolhido.

Garantia é de três anos e o preço sugerido é de R$ 299.900.

Ficha técnica Ford Mustang GT

Motor
De oito cilindros em V, 4.951 cm³ de cilindrada, a gasolina, de 466 cv de potência a 7.000 rpm e torque máximo de 56,7 kgfm a 4.625 rpm

Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Transmissão
Tração traseira e câmbio automático de dez marchas

Direção
Tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica; diâmetro de giro, 12,2 metros

Freios
Discos ventilados na dianteira e na traseira

Suspensão
Dianteira, triângulos transversais duplos, barra estabilizadora; traseira, multilink, barra estabilizadora

Capacidades
Tanque de combustível, 59 litros; carga útil (passageiros + bagagem), 430 kg; porta-malas, 382 litros

Rodas/pneus
Dianteiras 9×19” de liga leve/255/40R19; traseiras 9,5×19 de liga leve/275/40 R19

Peso
2.087 kg

Dimensões (metro)
Comprimento, 4,79; largura, 1,92; altura, 1,38; distância entre-eixos, 2,72

Desempenho
Velocidade máxima, 250 km/h; aceleração até 100 km/h, 4,3 segundos

Consumo (km/l)
Não divulgado

Ford Mustang GT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Isolamento térmico deixou a desejar

O Ford Mustang GT é um carro feito para as estradas, nelas, o esportivo mostra todo o seu vigor. Para tal, fizemos uma viagem com o modelo para a cidade histórica de Tiradentes partindo de Belo Horizonte. Durante os 200 quilômetros que separam a capital mineira do município, tentamos viajar com Mustang sem o ar-condicionado ligado, o que foi inviável. 

Na volta, viajando à noite, o calor no habitáculo do Mustang GT continuava insuportável, obrigando a usar o ar-condicionado o tempo inteiro. Até aí, ainda não tinha percebido qualquer problema. Porém, ao chegar em casa e descarregar as malas, notei que do lado esquerdo do porta-malas a temperatura estava bem alta. Ao pegar minha jaqueta que estava nesse local, a forração dela tinha se soltado devido ao calor excessivo. Somente um pedaço de carpete separa o contato com o piso do porta-malas. Nossa palpite é que o culpado possa ser o sistema de escape. As altas temperaturas do escapamento duplo que ficam instalados nas extremidades podem ter passado para o interior do veículo e também para o assoalho do porta-malas.

Questionamos a Ford se o excesso de calor no habitáculo e no porta-malas não seria falta de um melhor isolamento térmico. A marca diz que irá analisar a unidade avaliada no Campo de Provas de Tatuí (SP) e que  em breve nos dará uma resposta sobre o assunto. (Marlos Ney Vidal)