Olá amigos,

A partir de hoje o Autos Segredos começa a publicar as avaliações técnicas do engenherio Daniel Ribeiro Filho. Confira abaixo um pouco de sua experiência profissional:

  • Graduado em Engenharia Mecânica PUC-MG em 1983.
  • Engenheiro responsável pela oficina da Engenharia do Produto da Fiat Automóveis, e chefe direto dos motoristas de teste (pilotos de prova) de veículos experimentais (protótipos), e veículos de produção em prova de durabilidade com 13 anos de experiência (1977 a 1990) em vários departamentos da montadora.
  • Na engenharia de experimentação desempenhou mais as seguitnes funções:
  • Avaliação e qualificação de pneumáticos para toda gama de veículos Fiat e Alfa Romeo (Pirelli, Googyear e Firestone).
  • Testes especiais de análise técnica de veículos da concorrência, com provas práticas de hadling.
  • Ride-Test de qualificação de amortecedores para homologação de todos os veículos Fiat (Cofap e Monroe).
  • Provas especiais de prestações ao nível do mar e no interior de Minas de velocidade máxima, consumo, aceleração, retomadas de velocidade e durabilidade de motores.
  • Piloto de competição, filiado a FMA (Federação Mineira de Automobilismo), como piloto graduado B, em campeonatos em Interlagos e Jacarepaguá, nos anos 1988\89\90.
  • Engenheiro responsável pelas avaliações técnicas para o caderno de Veículos do jornal Estado de Minas, desde 1996, convidado pelo engenheiro e jornalista Boris Feldman.
  • Assistente Técnico em perícias judiciais automotivas, defendendo o consumidor.

A Peugeot  quer abocanhar uma fatia do mercado hoje dominada pela Fiat Strada. Alguns de seus concorrentes recentes e com mais tradição como a Volkswagen não está conseguindo com a nova Saveiro. Será que para o fabricante francês as situação será diferente? Confira a avaliação da versão Hoggar XR 1.4.

Daniel Ribeiro Filho (*)
Especial para o Autos Segredos

VÃO DO MOTOR O vão é totalmente desprovido de material isolante acústico, e o resultado da insonorização em relação ao habitáculo, aceitável. O capô tem bom ângulo de abertura. O acesso à manutenção é razoável, exceto o de fluido de freio, e os itens de verificação constante têm boa identificação e manuseio. POSITIVO

CLIMATIZAÇÃO É por comando manual. Apresentaram um bom funcionamento, com boa vazão de ar pelos quatro difusores do painel, com uma rumorosidade aceitável, além de baixo tempo para climatizar o habitáculo de uma cabine simples. São quatro as opções de direcionamento do ar e a caixa de ar apresentou-se bem vedada. POSITIVO

FREIOS Estão muito bem dimensionados, calibrados e mesmo sem ABS, apresentaram um ótimo comportamento dinâmico. O pedal de freio tem excelente relação e sensibilidade. Em frenagem de emergência sobre piso de baixo atrito manteve a trajetória imposta e, numa condução esportiva, permite frear forte na entrada de curvas com reações balanceadas nos dois eixos, e sem afundamento exagerado do eixo dianteiro. O freio de estacionamento atuou com precisão. POSITIVO

CÂMBIO Merece destaque o conjunto de engrenagens do eixo primário e secundário homologadas e a relação coroa/pinhão do diferencial. Estão muito bem elaboradas e definidas, proporcionando dinâmica muito boa no uso na cidade e em rodovias. A qualidade de engate é boa em precisão, maciez, curso da alavanca e pega no pomo, e é aceitável a rumorosidade de funcionamento do trambulador. A 100km/h em 5ª marcha, o motor atua com força máxima (12,8kgfm a 3.250rpm) em rodovias, o mesmo a 60km/h em 3ª marcha no uso urbano. POSITIVO

MOTOR Surpreende a dinâmica pela cilindrada, curva do motor e peso. Proporciona dirigibilidade segura e ágil no uso misto. O câmbio homologado tem participação ativa neste rendimento, com boas retomadas de velocidade e aceleração, mesmo com ar-condicionado ligado. A rumorosidade de funcionamento é aceitável. POSITIVO

VEDAÇÃO Boa contra água e poeira. POSITIVO

ILUMINAÇÃO Os faróis têm duplo refletor e contam com auxílio dos de neblina, sendo bom o resultado em iluminação no baixo e no alto. Não tem ajuste elétrico de altura em relação à carga transportada, mas é fácil a alteração do facho em mecanismo instalado atrás do corpo dos faróis. Luzes de cortesia são inexistentes. Na zona do teto tem uma lanterna pequena junto ao retrovisor, com resultado aceitável pela área interna do habitáculo. POSITIVO

ALARME A chave de ignição é codificada. Proteção volumétrica dentro da cabine e perimétrica das partes móveis é opcional. POSITIVO

ACABAMENTO DA CARROCERIA A qualidade da pintura não é boa, pois contém alguns pontos com imperfeições no verniz e na preparação da chapa, mas a tonalidade da tinta é homogênea nas partes em aço e plástico. As duas portas estão desniveladas. O capô está desalinhado em relação ao painel dianteiro e nas extremidades próximas da base inferior das colunas A (dianteira). A tampa da caçamba tem tranca com chave e montagem razoável. A unidade em teste estava equipada com proteção plástica em todo vão de carga, capota marítima, quatro ganchos internos para fixar volumes, mas não tem grade protetora no vidro traseiro, tendo somente arco transversal no teto para transporte de cargas longas. As portas têm friso protetor e há seis ganchos na caçamba para fixar cargas. REGULAR

ALTURA DO SOLO Há chapa em aço vazada para a zona inferior do motopropulsor. Não ocorreram interferências significativas com o solo, apenas raspa levemente a chapa de proteção inferior ao trafegar sobre estrada de terra com algumas imperfeições. REGULAR

NÍVEL INTERNO DE RUÍDOS O habitáculo não é silencioso quando se trafega sobre piso de paralelepípedo, terra com costelas e asfalto ruim. O efeito aerodinâmico é aceitável, favorecido por ter duas portas e pouco ruído do atrito do ar com as barras longitudinais do teto e arco superior. REGULAR

SUSPENSÃO Foi homologada em 38 libras a pressão de todos os pneus com somente condutor. O conforto de marcha, que é razoável, teria um ganho significativo com uma melhor experimentação de encontrar uma pressão mais baixa dos pneus no eixo dianteiro e traseiro, mantendo um bom handling, consumo de combustível e desgaste dos pneus. É muito neutro e rápido em curvas. A estabilidade agrada bem pela velocidade que se consegue contornar com precisão curvas de raios variados sobre asfalto seco e terra batida, além de inclinação moderada da carroceria. REGULAR

DIREÇÃO A coluna de direção tem ajuste em altura com curso razoável e o volante, boa pega. As cargas do sistema assistido hidraulicamente estão bem elaboradas para o uso misto. A velocidade do efeito/retorno satisfaz, mas o diâmetro de giro é limitado em manobras apertadas. Apresentou boa precisão na reta e em curvas com reações uniformes e seguras. REGULAR

LIMPADOR DE PARA-BRISA O campo de visão junto a coluna A é prejudicado pela área varrida. É boa a qualidade das palhetas e a vazão dos esguichos, que quando acionados ativam automaticamente o sistema de limpeza. Não tem sensor de chuva e é fácil a identificação e manuseio do reservatório d’água instalado dentro do vão do motor. REGULAR

ESTEPE/MACACO O kit de troca fica no assoalho, atrás do banco do condutor. O estepe tem a roda e pneus iguais aos de uso e está instalado sob o vão de carga em suporte metálico basculável com acionamento por dentro da caçamba. As calotas integrais são fixadas no aro sobre alta pressão e não tem uma ferramenta específica para ajudar a removê-las. A operação de troca é cansativa, suja e demorada. NEGATIVO

(*) O autor do texto é engenheiro formado pela PUC Minas. Para contatos [email protected]

Fotos Marlos Ney Vidal/Autos Segredos